(Foto: Divulgação)

Powered by WP Bannerize


Impressionante: Guedes sai como superministro mais poderoso desde a redemocratização

terrabrasilnoticias

O ministro Paulo Guedes (Economia) deixa o governo depois de ser o superministro mais forte desde a redemocratização da República. O “Posto Ipiranga”, como foi apelidado pelo presidente Jair Bolsonaro, deixa o cargo com avanços rumo ao liberalismo econômico, mas uma agenda de reformas incompleta.

Guedes iniciou as conversas com Bolsonaro em 2017 para criar o plano econômico da campanha presidencial de 2018.

A primeira vez que Bolsonaro mencionou o nome dele publicamente como possível ministro da Fazenda (hoje Economia) foi em um seminário da revista Veja, em 27 de novembro de 2017. Ao ser citado, Guedes era reconhecido como um ultraliberal. Ele ajudou a fundar o grupo BR Investimentos e o que se tornou o Banco BTG Pactual.

Indagado se o economista seria o futuro chefe da equipe econômica, Bolsonaro respondeu na época: “É uma pessoa que a gente espera continuar namorando, quem sabe ficar noivo né?”

O noivado deu certo. Guedes passou a ser fiador do ex-capitão do Exército e deputado na mesa de comensais da Faria Lima (região da capital paulista sede de grandes bancos e corretoras do mercado financeiro).

Bolsonaro foi eleito em 2018. Teve o apoio da maioria dos investidores pregando a defesa de uma agenda liberal para o Brasil –diferentemente da visão estatizante e nacionalista que ele havia defendido quando era deputado.

O noivado chegou ao fim. Depois de 4 anos, Guedes deixa o governo que ajudou a eleger. Bolsonaro perdeu a eleição para o opositor Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Acabou o combustível do “Posto Ipiranga” na gestão federal.

SUPERMINISTRO

Bolsonaro deu carta branca para o Guedes escolher sua equipe. O economista tinha metas ousadas, como zerar o deficit primário das contas do governo e privatizar a maioria (ou todas) estatais do país.

Montou um time conhecido como “Chicago oldies” –uma alusão aos Chicago boys, time de jovens liberais egressos da Universidade de Chicago que reformou a economia chilena durante a ditadura de Augusto Pinochet (1974-1990).

As decisões econômicas foram concentradas em Guedes, que agrupou 4 ministérios e se tornou o superministro mais forte do governo (Sergio Moro, ex-juiz da Lava Jato, também tinha concentrado poder Esplanada).

O Ministério da Economia juntou as seguintes pastas:

  • Ministério da Fazenda;
  • Ministério do Planejamento;
  • Ministério da Indústria e Comércio Exterior;
  • partes do Ministério do Trabalho.

Ao longo do governo, Guedes criou 8 secretarias especiais para cuidar dos mais variados temas. São elas:

  1. Tesouro e Orçamento;
  2. Receita Federal;
  3. Previdência e Trabalho;
  4. Comércio Exterior e Assuntos Internacionais;
  5. Desestatização, Desinvestimento e Mercados;
  6. Produtividade, Emprego e Competitividade;
  7. Desburocratização, Gestão e Governo Digital;
  8. Programa de Parcerias de Investimentos.

Até hoje, há a discussão sobre os benefícios e malefícios desta medida. De um lado, a concentração dos poderes em uma única pessoa cria problemas de priorização da agenda econômica, segundo parte dos analistas. Do outro, a gestão da área foi unificada e ganhou eficiência na tomada de decisões.

O fato é que Guedes concentrou forças e teve papel importante no governo Bolsonaro. Além do ministério, teve seu dedo na escolha de ministros e presidentes de diversas estatais, como Petrobras e Banco do Brasil.

DEBANDADA

Do economista com mais poderes da história, Guedes teve sua equipe enfraquecida ao longo do tempo. Colecionou desistências depois de barreiras políticas e de articulação na pauta liberal.

Em 2020, Rubem Novaes e André Brandão deixaram o comando do Banco do Brasil. O último ganhou antipatia de Bolsonaro por cortar gastos em agências e promover a demissão de 5.000 funcionários. Em seu lugar, o presidente colocou um bolsonarista que fez carreira na instituição. Mas manteve o legado liberal no banco.

Durante o governo, o maior baque foi na Petrobras, a maior estatal e petrolífera do país. Em fevereiro de 2021, Bolsonaro mandou trocar Roberto Castello Branco –indicado por Guedes– por um general. O motivo: descontentamento com a política de reajustes semanais da companhia. Assumiu a função Joaquim Silva e Luna, diretor-geral da Itaipu Binacional e ex-ministro da Defesa no governo Temer.

A empresa não tinha um militar no comando desde 1988. Sob nova gestão, a companhia passou a investir mais em uma campanha para explicar a composição dos preços dos combustíveis. A política de preços da petrolífera (paridade com o dólar e o barril cotado nos mercados internacionais) não foi alterada.

Outro aliado de Guedes que deixou o governo foi a presidente do IBGE. Susana Guerra pediu demissão em 26 de março de 2021 –um dia após o Congresso meter a faca e quase zerar a verba do Censo (coleta dados detalhados sobre a população) para financiar emendas parlamentares. A pesquisa ficou para 2022.

Guedes perdeu uma de suas secretarias para a criação do Ministério do Trabalho e Previdência, que passou a ser comandado por Onyx Lorenzoni. Guedes avaliava que isso não foi uma redução de poder porque a principal missão da Secretaria de Previdência e Trabalho era fazer a reforma do regime de aposentadorias, implantada em 2019.

Do “time A” de Guedes, deixaram o governo:

Os 2 últimos saíram por descontentamentos com a agenda liberal. Na época da demissão, em agosto de 2020, Guedes fez os seguintes comentários:

  • Salim Mattar – “Ele me diz que é muito difícil privatizar. Que o establishment não deixa vir a privatização, que é tudo muito difícil, muito emperrado. Tem que ter 1 apoio mais definido, mais decisivo”;
  • Paulo Uebel – “Ele reclama que a reforma administrativa parou”. O texto foi enviado ao Congresso e aguarda votação no plenário.

O 1º secretário de Receita de Guedes, Marcos Cintra, foi demitido em setembro de 2019 por causa de especulações sobre a volta da CPMF, tributo que tinha incidência sobre as movimentações bancárias. Guedes o batizou de microimposto digital. Negou diversas vezes ser um tipo de CMPF. Disse que o objetivo era financiar a desoneração de tributos que incidem sobre a folha de pagamentos. Até agora, a proposta não foi apresentada por causa de resistências políticas, inclusive de Bolsonaro.

Na reta final do governo, auxiliares do ministro ganham posição de destaque no 1º escalão do governo.

O ex-secretário de Trabalho e Previdência Bruno Bianco tornou-se advogado-geral da União. Adolfo Sachsida foi nomeado ministro de Minas e Energia. O então secretário especial Caio Paes de Andrade foi para a presidência da Petrobras.

PANDEMIA ATRASOU PLANOS

Zerar o déficit público em um ano e arrecadar R$ 2 trilhões com privatizações e venda de imóveis da União. Essas foram umas das promessas feitas por Guedes na campanha presidencial.

Guedes não zerou o deficit no 1º ano do governo, mas fez com que a dívida pública caísse em 2019. O endividamento bruto recuou a 75,8% do PIB naquele ano. Foi um grande feito. A dívida bruta não caia desde 2013. O dado mostrou que a economia estava no trilho.

Mais tarde, a pandemia frustrou os planos econômicos do governo. Só em 2020, a União desembolsou R$ 771,5 bilhões (10% do PIB) para conter a crise econômica. A dívida bruta saltou para R$ 6,6 trilhões. O equivalente a 89,3% do PIB, o maior percentual da história.

Em 2020, a retração causada pelo confinamento social e a redução da atividade econômica foi atenuada pelo pagamento de vouchers do auxílio emergencial (que variaram de R$ 1.200 a R$ 300). Quase 70 milhões de pobres e miseráveis foram beneficiados a um custo recorde de R$ 294 bilhões, o equivalente a 10 anos do orçamento do Bolsa Família.

O PIB, que teve desempenho modesto em 2019 (1,2%), registrou forte queda em 2020 (-3,3%). Subiu fortemente em 2021 (5%) e deve fechar o ano de 2022 com alta de 3,05% (segundo estimativa de analistas do mercado).

Com alta do PIB e controle das contas públicas, a dívida voltou a cair para um patamar próximo ao do início do governo Bolsonaro. O endividamento recuou por causa da venda de reservas, da antecipação de pagamentos pelo BNDES ao Tesouro e de um melhor resultado das contas públicas.

O Tesouro Nacional espera ter superavit primário (saldo positivo no Orçamento) de R$ 34,14 bilhões em 2022, o primeiro desde 2013.

 

Guedes sai como superministro mais poderoso desde a redemocratização

O IPCA, índice que mede a inflação, deve encerrar o ano na faixa de 5,8%. Há perspectiva de queda. É possível que o Banco Central atinja a meta de inflação em 2024.

O desemprego caiu para 8,3% em novembro, o menor patamar desde 2015. Os salários crescem acima da inflação desde julho e encontravam-se, em outubro, 5% acima do valor do mesmo mês de 2021.

Guedes sai como superministro mais poderoso desde a redemocratização

PRIVATIZAÇÕES

O governo Bolsonaro conseguiu arrecadar R$ 304,2 bilhões com privatizações e desinvestimentos de estatais até julho de 2022.  A maior parte do montante (R$ 237 bilhões) foi levantado com a venda de subsidiárias de estatais e de ações detidas pela União e suas empresas.

Bolsonaro arrecada R$ 304,2 bilhões com privatizações

Foram arrecadados R$ 110,1 bilhões em 2019, no 1º ano de gestão. Mais R$ 59,7 bilhões em 2020. Depois, outros R$ 57,8 bilhões em 2022. E mais R$ 76,6 bilhões em 2022. O dinheiro foi utilizado para reduzir a dívida pública.

Bolsonaro arrecada R$ 304,2 bilhões com privatizações

A agenda privatizante ainda influenciou diversos Estados. De 2019 a 2021, 4 unidades da Federação levantaram R$ 27,5 bilhões com a privatização de empresas:

A cifra mostra que a equipe do ministro da Economia conseguiu cumprir parte do prometido na eleição de 2018, que era arrecadar R$ 1 trilhão em privatizações. Além do R$ 304,2 bilhões arrecadados pelo governo, os novos donos das companhias se comprometem a investir nessas empresas.

O Ministério da Economia diz que o governo Bolsonaro conseguiu R$ 925 bilhões em compromissos de investimentos para a próxima década por meio dessas privatizações e concessões. A equipe econômica avalia que essa estratégia dará suporte para o crescimento da economia nos próximos anos. O governo espera alta de 2,1% para o PIB em 2023.

RELAÇÃO COM O CONGRESSO

Paulo Guedes teve uma relação conflituosa com o Legislativo, mas obteve algumas vitórias.

Com ajuda do Congresso, pelo seu posterior desafeto, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), conseguiu aprovar uma reforma da Previdência. O texto inicial foi desidratado. Mas deve resultar em uma economia de R$ 855 bilhões em 10 anos.

Em 2021, o economista disse que realizou um sonho que foi ver o Banco Central ser independente. Sob gestão de Arthur Lira (PP-AL), a Câmara deu aval para a autonomia da autoridade monetária, algo que os liberais defendiam há décadas.

Em sua 1ª entrevista depois do resultado da eleição, Guedes reafirmou que iria perseguir o caminho das reformas: “Precisamos de uma reforma da Previdência. O 2º grande item do controle de gastos públicos: as despesas de juros […] O 3º é uma reforma do Estado, são os gastos com a máquina pública. Vamos ter que reduzir privilégios e desperdícios”.

Guedes dizia estar otimista com o Congresso eleito em 2018. Disse que os deputados e senadores desta legislatura eram reformistas. “O Brasil vai surpreender o mundo”, repetiu diversas vezes em fóruns para empresários e investidores.

Várias reformas microeconômicos avançaram, como, por exemplo:

  • Privatização da Eletrobras – governo iniciou processo de capitalização da companhia;
  • reforma do FGTS – criação de novas regras para o saque de dinheiro do fundo;
  • Lei do Fiagro – abriu portas para o financiamento da produção agrícola e pecuária;
  • Lei de liberdade econômica – simplifica negócios e reduzir riscos para os empresários;
  • Marco Legal do Saneamento – criar um conjunto de regras que tratam da regulação do setor;
  • Lei de Falências – altera os procedimentos de falência e recuperação judicial;
  • Lei do Gás – define mecanismos para viabilizar a desconcentração do mercado de gás natural;
  • Lei de Licitações – atualiza as regras para contratação de produtos e serviços pelo poder público;
  • Governo digital  disponibilizada uma plataforma única do acesso às informações e aos serviços públicos;
  • MP do ambiente de negócios – simplifica a abertura de empresas, a proteção aos investidores minoritários e a facilitação no comércio exterior de bens e serviços;
  • CPR Verde – A nova Lei do Agro introduziu a possibilidade de emissão de títulos lastreados em ativos ambientais.

Mas houve embates com o Legislativo. Além das resistências dentro do governo, a relação com Rodrigo Maia azedou ao longo do tempo. Maia foi presidente da Câmara na 1ª metade do governo Bolsonaro e tinha o poder de pautar a agenda da Casa. Guedes acusou o então presidente da Câmara de ter feito um acordo com a esquerda para não avançar com as privatizações.

Já Maia disse que o governo fazia corpo-mole com as reformas e queria jogar a culpa no Legislativo. Acusou Guedes de interditar a reforma tributária:“Eu acho muito interessante porque 6 meses atrás eu fiquei até empolgado. O ministro da Economia disse que faria em 90 dias 4 privatizações”, disparou o presidente da Câmara na reta final de seu mandato, em dezembro de 2020. “Eu estou procurando as privatizações até hoje. Procurando por um lado, procurando por outro, e não vi nenhuma até agora”.

Em entrevista à revista “Veja“, em dezembro de 2020, Guedes disse que houve um plano de impeachment contra Bolsonaro no auge da pandemia arquitetado por governadores, Maia e outros: “Houve, sim, um movimento para desestabilizar o governo. Não é mais ou menos, não. Tinha cronograma. Em 60 dias iriam fazer o impeachment. Tinha gente da Justiça, tinha o Rodrigo Maia, tinha governadores envolvidos”.

Guedes contou na sequência que ligou para os ministros do Supremo Tribunal Federal para entender o que estava acontecendo. “Conseguimos desmontar o conflito ouvindo cada um deles”, afirmou à revista.

Na época, Maia riu das declarações: “Estou esperando o Paulo Guedes cumprir 10% das promessas feitas pra eu voltar a respeitá-lo”.

Em audiências com senadores, o ministro também vivenciou climas de inimizade. Em abril de 2018, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) referiu-se ao economista como “tigrão” e “tchutchuca”. Zeca Dirceu discordava dos cortes sugeridos pelo governo na reforma da Previdência.

“O senhor é tigrão quando é com os agricultores, os professores. Mas é tchutchuca quando mexe com a turma mais privilegiada do nosso país”, disse o deputado.

Guedes retrucou: “Eu não vim aqui para ser desrespeitado, não. Tchutchuca é a mãe, é a avó, respeita as pessoas. Isso é ofensa”.

Outro entrave que Guedes enfrentou em sua gestão foi a criação de um novo programa social para substituir o Bolsa Família, o chamado Renda Brasil/Auxílio Brasil.

A equipe do ministro sugeriu o congelamento das aposentadorias para obter recursos para a iniciativa. A notícia repercutiu negativamente. Bolsonaro foi às redes sociais e deu um cartão vermelho ao então secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, que ventilou a ideia.

Desde o início da campanha eleitoral, Guedes propôs os “3 Ds” para mudar a gestão dos recursos públicos. A sigla significa: desvincular (retirar carimbos de verbas públicas), desindexar (acabar reajustes automáticos, com as das aposentadorias) e desobrigar gastos no Orçamento.

O ministro queria incentivar a contratação formal de jovens de 18 a 29 anos, que nunca haviam tido carteira assinada. Criou o programa Verde e Amarelo. Em troca da adesão, as empresas pagariam menos tributos e encargos trabalhistas. A Medida Provisória que editou o projeto foi rechaçada pelos congressistas. Considerado complexa, recebeu mais de duas mil emendas. Por causa do impasse, Bolsonaro revogou o texto e mandou de volta para a prateleira de projetos da equipe econômica.

Outra ideia que Guedes enviou ao Legislativo foi a PEC do pacto federativo, que leva mais recursos a Estados e municípios.

Tem ainda a reforma tributária. No fim de 2019, Guedes, os presidentes Davi Alcolumbre (Senado) e Rodrigo Maia (Câmara) selaram acordo para criar comissão mista no Legislativo que discutiria novas regras para o sistema de impostos.

Guedes enviou uma parte do que ele planejava para a reforma tributária. A fusão do PIS/Cofins num novo tributo, a CBS (Contribuição Sobre Bens e Serviços). Até o momento, não houve acordo. As presidências das casas legislativas foram trocadas. Um relatório final sequer foi votado.

Fora isso, Bolsonaro havia prometido na campanha a ampliação do contingente de isentos do Imposto de Renda Pessoa Física. Guedes queria tributar dividendos (parte dos lucros das empresas distribuído aos acionistas) para diminuir os impostos sobre as empresas. O texto foi aprovado na Câmara e está parado no Senado.

O ministro também apostava em desonerar a folha de pagamento para reduzir o custo de contratações. Nada andou.

ABERTURA ECONÔMICA

Guedes disse que sempre foi uma das metas do governo impulsionar a abertura econômica. Mas, por causa da pandemia, o Brasil teve que manter parte de seu protecionismo para evitar uma quebradeira das companhias nacionais. Afirmou que antes da flexibilização do comércio internacional seria necessário fazer reformas estruturais.

Justificou diversas vezes que o empresário brasileiro anda com “duas bolas de ferro” nas pernas e teria que “correr dos chineses” (que conseguem produzir com alta eficiência) em caso de uma abertura vertiginosa.

“Você amarra uma bola de ferro na perna direita dos empresários (os juros altos), uma bola de ferro na perna esquerda dos empresários (os impostos elevados), 1 piano das costas (os encargos trabalhistas). Eu abro e falo para o brasileiro: corre que o chinês vai te pegar”.

Por meio de acordo com o Mercosul, foi feita uma redução horizontal de 10% da TEC (tarifa externa comum) até dezembro de 2023. Internamente, o governo reduziu o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) em até 35% para a maioria dos produtos fabricados no país e ainda preservou a competitividade dos produtos produzidos na Zona Franca de Manaus.

Para melhorar a competitividade, a equipe econômica digitalizou 4.000 serviço no gov.br.

Umas das grandes metas do governo é incluir o Brasil na OCDE, grupo de países mais ricos do mundo. Para a adesão, são necessárias diversas modernizações no país para torná-lo mais atraente aos investidores estrangeiros. O Brasil já adotou uma série de regras. Mas sua classificação no grupo deve ficar para o próximo governo.

Guedes sai como superministro mais poderoso desde a redemocratização

METÁFORAS DE GUEDES

Desde quando assumiu o posto, o czar da economia recheou seus discursos com frases metafóricas repetidas exaustivamente.

Em 15 de dezembro de 2022, durante evento na sede do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Paulo Guedes disse que “tem sempre alguém fora das 4 linhas [da Constituição], em referência aos Três Poderes.

Foi seu último discurso público antes de deixar o governo. Ele afirmou que, quando isso se dá, “a democracia vai lá, tem que pescar o cara e botar para dentro de novo para dentro da caixinha”.

A expressão “fora das 4 linhas da Constituição” foi dita diversas vezes por Bolsonaro durante seu mandato presidencial.

Na ocasião, o então ministro da Economia também comparou o socialismo com o nazismo. Declarou que “eram todos socialistas” e as duas ideologias “gostam de dirigismo”.

“Na política, o socialismo foi avassalador. Ele varreu corações no mundo inteiro, provocou guerra, dividiu povos. Se você pegar, até o nazismo é o nacional-socialismo. Era uma reação conservadora aos socialistas.”

Em 30 de setembro, Paulo Guedes equiparou a democracia brasileira a um saci pererê, personagem do folclore que tem só uma perna. Segundo ele, havia um domínio da esquerda antes de Bolsonaro assumir.

“A democracia brasileira era um saci pererê. Só pulava na perna esquerda. É preciso ter tolerância com os religiosos, com os patriotas”, declarou.

O economista já afirmou que juros e impostos muito altos são “bolas de ferro” nas pernas dos empresários brasileiros. Ele defendeu “acabar com o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)” para melhorar o ambiente de negócios e não quebrar a indústria nacional.

Disse, ainda, não querer a “chinesada” entrando no país, em referência aos produtos chineses, atribuindo uma competitividade.

“O empresariado brasileiro tem uma bola de ferro na perna direita, que são juros muito altos, uma bola de ferro na perna esquerda, que são impostos muito altos, você bota um piano nas costas dele, que são os encargos trabalhistas, e fala: ‘corre que o chinês vai te pegar’”, declarou em 26 de agosto.

Paulo Guedes também fez uma analogia com as mulheres: “Não existe mulher feia. Existe mulher observada do ângulo errado”.

A declaração foi dada no seminário “A Nova Economia do Brasil – o impacto para a região Nordeste”, realizado pelo Poder360 em parceria com o Sistema Jangadeiro, em 5 de setembro de 2019. O então ministro se referiu a um comentário considerado sexista de Bolsonaro no Facebook sobre a primeira-dama da França, Brigitte Macron.

Na ocasião, Guedes também afirmou que a mulher do presidente Emmanuel Macron “é feia mesmo”. Depois, pediu desculpas.

Em junho de 2019, durante uma audiência pública na Câmara, se referiu a uma baleia que agoniza no mar para descrever o desempenho econômico do Brasil.

“O Brasil é uma baleia ferida que foi arpoada várias vezes, foi sangrando e parou de se mover. Precisamos retirar os arpões”.

Classificou de “anomalia” a existência de estatais listadas na Bolsa de Valores (que têm capital público e privado), como a Petrobras e Banco do Brasil.

“Não é tatu nem cobra. Não é a Caixa Econômica Federal, que é 100% do governo, não tem acionistas minoritários. E ao mesmo tempo não é cobra. Ela não agrada nem ao mercado nem ao governo”, declarou o ministro.

Guedes já disse que o dólar mais alto é “bom para todo mundo”. Afirmou que, com o câmbio mais baixo, “todo mundo” estava indo para a Disney, nos Estados Unidos, inclusive “empregada doméstica”. E recomendou que a população viaje mais pelo Brasil.

“O câmbio não está nervoso, mudou. Não tem negócio de câmbio a R$ 1,80. Todo mundo indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia, uma festa danada. Pera aí”, declarou.

Ao assumir o cargo, falou que a máquina do governo virou gigantesca engrenagem perversa de transferência de renda. Chamou de “piratas privados” as empresas que foram beneficiadas por recursos de bancos públicos sem que gerassem o retorno esperado.

“Os bancos públicos se perderam em grandes problemas com piratas privados e burocratas políticos. Burocratas corruptos e criaturas do pântano político se associaram contra o povo brasileiro”.

Para justificar que o Brasil gasta mal o dinheiro da população, declarou que o governo “joga” a dívida para frente, e que o país “reconstrói” uma Europa por ano com os juros da dívida pública. “A principal despesa do governo hoje são os gastos com a Previdência. O 2º são gastos com juros da dívida interna. O Brasil reconstrói uma Europa por ano, que é um Plano Marshall por ano”.

Guedes ainda ilustrou o esgotamento do sistema de aposentadorias como um passageiro de um avião sem combustível.

“Seu filho entra no mesmo voo condenado, indo para alto-mar sem combustível. O seu paraquedas você segura, e ele vai para o inferno. É isso o que essa geração quer fazer?”, dizia. “Nossos filhos e netos, por falta de coragem nossa, estão condenados a continuar nesse mesmo avião, que vai cair por falta de combustível.”

Em defesa do ajuste fiscal, o ministro comparou servidores públicos a parasitas, que estão matando o hospedeiro (o governo) ao receberem reajustes automáticos enquanto os Estados estão quebrados.

“O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, além de ter estabilidade na carreira e aposentadoria generosa. O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita.”

Durante a pandemia, o economista disse que o emprego era uma asa quebrada que precisa ser consertada para voar. “O capítulo mais importante vem agora, que é a vacinação em massa”, afirmou. “Aí o Brasil vai bater as duas asas e vai voar”.

QUEM É PAULO GUEDES

Paulo Roberto Nunes Guedes, 73 anos, nasceu no Rio de Janeiro em 24 de agosto de 1949. É graduado em economia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Guedes é filho de uma servidora pública e de 1 vendedor de materiais escolares. É mestre pela Universidade de Chicago, onde recebeu seu Ph.D.

O economista é o grande responsável pelo apoio que o governo Jair Bolsonaro recebeu do mercado financeiro. As expectativas dos investidores eram de que Guedes prosseguisse com as reformas necessárias para recuperação da economia. Guedes é sócio majoritário do grupo BR Investimentos, parte da Bozano Investimentos. Participou dos conselhos de administração de empresas como a Localiza, a PDG Realty, e a HSM e Gaec.

Fundou o Instituto Millenium, disseminador do pensamento econômico liberal, e foi professor de macroeconomia na PUC-RJ, na FGV (Fundação Getúlio Vargas) e no IMPA (Instituto de Matemática Pura e Aplicada). Fundou o primeiro curso de MBA em finanças do país quando foi sócio majoritário do Ibmec.

Participou também da elaboração da proposta do plano de governo de Guilherme Afif, em 1989, quando este se candidatou a presidente. Afif foi assessor especial de Guedes no Ministério.

Fonte: terrabrasilnoticias



O que achou desta matéria? Dê sua nota!:

0 votes, 0 avg. rating

Compartilhar:

Escreva um comentário